Search
  • Anthony

2020: não vamos esquecê-lo completamente

Updated: Jan 4

2020: não vamos esquecê-lo completamente


Por Anthony, Sheliaj Habonim Dror no México


Chanuca veio e se foi, o ano novo se aproxima, é hora da recapitulação anual.

2020 foi um ano difícil, para dizer o mínimo. Onde quer que você tenha estado nos últimos 12 meses, provavelmente aprendeu novos termos e experimentou coisas novas: COVID, máscaras N-95, distanciamento social e, claro, Zoom. Enquanto alguns países estão lançando as primeiras vacinas, a realidade que enfrentamos nos últimos meses provavelmente durará um pouco mais até que possamos começar a viver como antes.

O Habonim Dror, como todos os movimentos juvenis do mundo, teve que se adaptar a essa nova realidade, encontrando formas de se conectar sem se ver, sem se abraçar e sem gritar. A situação obrigou os líderes de nosso movimento, os bogrim, madrichim e hanagot, a se reinventarem quase que semanalmente.

Quem teria pensado há um ano em fazer acampamentos virtuais? Quem poderia imaginar que nossos snifim iriam começar a transmitir suas peulot ao vivo? Como poderíamos organizar seminários ao redor do mundo que abordassem questões como gerenciamento de crises em apenas algumas semanas?

Deixe-me ser claro, ninguém quer reviver um ano como este.

No entanto, acho que temos muito a aprender com este ano especial, mudanças positivas que não devem ser descartadas tão rapidamente. Isso é o que eu acho que vale a pena manter:


1. A tecnologia pode ajudar

Não conseguir chegar ao snif ou ao escritório, obrigou-nos a procurar soluções tecnológicas para nos encontrarmos e liderarmos o movimento. De repente, não tínhamos que gastar tempo e energia nos reunindo para cada decisão, não apenas economizamos nosso precioso tempo, mas também ajudamos em ecologia. Se pensarmos internacionalmente, a crise do COVID provavelmente nos ajudou a seguir em frente como nada mais. Os shlichim começaram a compartilhar experiências em nível internacional, encontros continentais foram realizados em diferentes níveis dos movimentos juvenis.

2. Recalibrando nosso foco

Enfrentar tal crise revelou nossas fraquezas e nossos pontos fortes. Muitos dos processos regulares dentro de cada snif, bem como em Israel, eram vistos com um olhar diferente, um ângulo diferente. Alguns foram considerados vitais, enquanto outros se tornaram obsoletos. Tenho certeza de que muitos podem se identificar com este pensamento que muitos de nós tivemos ao longo do ano passado: "vamos fazer aquele projeto para o qual nunca temos tempo." Por alguma razão, estarmos longe uns dos outros nos ajudou a focar nos projetos e iniciativas importantes de cada equipe.

3. Corações criativos

Como de costume, os movimentos juvenis, principalmente o Habonim Dror, mostraram-se pioneiros em sua forma de fazer as coisas. Ninguém sabia como ensinar, como se relacionar na esfera virtual, e somente depois de algumas semanas de confinamento, nossos madrichim estavam nos ensinando a usar ferramentas online. Quando nos cansamos de "apenas nos vermos" nas telas, os líderes do Habonim criaram novas maneiras de interagir. A principal lição deste “ano COVID” é que a criatividade pode vencer qualquer coisa. Muitas coisas novas foram inventadas este ano devido a essas condições extremas. Esse espírito criativo deve ser mantido vivamente vivo enquanto facilitamos nosso caminho de volta à normalidade.

Nos livros de história do Habonim, as gerações futuras olharão para este ano e se perguntarão "como eles fizeram isso?" Há muito o que aprender e compartilhar com essa experiência única pela qual todos nós passamos. Compartilhar essas lições entre snifim, entre países, nos ajudará a crescer como movimento.

Em uma nota mais pessoal, 2020 também foi um desafio. Começou bem planejado, e depois foi para o sul, figurativa e literalmente. Fiquei preso na América Latina por um tempo, salvo pelos poucos voos de repatriação europeus para que pudesse chegar a Israel antes de iniciar minha shlichut no México no verão. Ainda não coloquei os pés em nosso snif na Cidade do México, mas o Habonim já me parece familiar.

Tenho a esperança de que 2021 será diferente de 2020.

Mas não vamos esquecer as coisas boas que aconteceram este ano.


24 views0 comments

Recent Posts

See All

Purim

There is no doubt that Purim is one of the most colorful holidays in the Hebrew calendar. If you ask any child, including me (and I am no longer a child), what Purim means, everyone will say one thing

Les femmes dans le mouvement des kibboutzim

Hilit Ben Zvi est directrice de l'unité de Promotion de l'Égalité des sexes et des femmes dans le mouvement des kibboutzim, le mouvement Moshavim et le Centre des conseils régionaux. L'unité est en ch